! !

terça-feira, 27 de setembro de 2016

..."Praia"...


(Foto de minha Autoria)


“ Era algo que se podia evitar, mas, por vezes não me é possível.
Praia? Não, não ligo minimamente a praia, mas (e como em tudo na vida há sempre um mas), porque não, acompanha-la, na verdade nem é muito complicado, não é mulher que seja muito difícil de “aturar”, até porque praia é sinónimo de “praia com pouca gente, para estar á vontade ouviste?”.
E eu fazendo ouvidos de mercador lanço apenas um “Ok!”.
Quem me manda a mim, ir nestas coisas?
Um livro, uma cadeira e uma imensidão de água pela frente (bem antes água a uma imensidão de gente).
Algo que também se torna fácil vivendo longe da confusão tem os seus quês e os seus porquês. Nem tudo é mau, e afinal de contas do longe se faz perto.
Eu mantenho-me na minha paz e sossego, companhia de um livro e a companhia de uma mulher…a minha.
Verdade por vezes até podia querer que no meio de tanta coisa a companhia desejada fosse outra…mas (outro mas).
E porque não óculos de sol?
O sol está quente, a água apesar de tudo apetecível, olho para ela e sinto vontade de me refrescar. Penso duas vezes e sou  levado a pensar mais outras duas.
Fico atónico, não sei penso “é do calor só pode”, uma visão que se torna numa visão única e por momentos divago.
Estava, estava simplesmente deslumbrante…atribuo culpas ao calor, e ao ser o primeiro dia de praia com ela.
Deixei-me estar apenas e só a contempla-la. Gestos calmos de quem usufrui do momento da paisagem daquilo que para si é sinónimo de prazer.
Olho-a enfeitiçado pela forma como se move, como se deita ao sol…olho o corpo molhado, como se um sinal de pecado se tratasse…olho-a molhada.  Pequenas gotas deslizam sobre os seus seios.
Corpo dourado, corpo, corpo…palavras de emoções e sensações que emergem agora de meu corpo.
Mas quem me manda a mim ficar como espectador de um espectáculo que á partida não era meu?
Firme volto às palavras do meu livro, deixo rolarem pela mente sem que façam quaisquer sentido.
Sem me dar conta volto a contemplar…gestos de quem passa óleo num corpo que continua a saber-me bem olhar…está dourado, e vem-me à mente o sabor  do sal o cheiro da maresia…suspiro, deixo cair o livro na areia, e levanto-me direitinho ao mar, direitinho á água.
- onde vais?
- já venho….
Vou, vou lavar a alma para ver se tudo aquilo que por lá anda a navegar se vai com a água fria do mar.
Resultado? Fria a água quente a mente e o corpo.
Já diz o ditado “há razões, que a própria razão desconhece…”
É desta.
Sair da água contemplar o “objecto” de desejo e “fazer-me” a terra.
Olho-a novamente já seca.
- Anda!
- O quê?
- Anda, veste-te.
- Estás doido? Ainda não há duas horas que aqui estamos, no foi isto que combinamos.
- Vá anda, e por uma vez que seja faz o que te digo, e não vale a pena fazeres mais perguntas que eu não respondo.
Não vale a pena dizer que não me falou durante o trajecto até casa.
Abro a porta do carro e peço-lhe para sair, reticente acaba por aceder ao meu pedido.
Pé ante pé de forma descompassada, tal e qual uma criança que amuou por não ter aquele brinquedo tão desejado.
Sobe,  atravessa a porta.
Sem tempo para respirar tomo-a nos meus braços rodopiando, pelo hall, pela sala, descompassados como antes a tinha visto a ela, agora éramos os dois.
Que importa no momento qual o compasso?
Já tinha sido mais do que suficiente o compasso de espera, desde que a vi sair de dentro de água, desde que imaginei o sabor de cada gota, do toque naquela pele dourada de um sol que teimava a queimar.
Aposto que não queimava mais do que o desejo que eu sentia.
Acabou-se, o momento era meu, e seria nosso.
De rompante larga-me e com um ar assustado diz.
- O que se passa?
- Tudo e nada.
Respondi tomando-a de novo nos meus braços, sabia sem sombra de dúvida a sal, cheirava à maresia tendo a pele ainda quente, suave como uma qualquer pétala de rosa…suave, suave e minha.
Um momento, apenas um instante para fechar os olhos e saborear o momento.
Olhava-me incrédula, olhava-me em sinal de espera, em sinal de quem aguarda alcançar, algo que não sabe muito bem o quê.
O momento, o momento...aquele em que a deito no chão, aquele em que deposito os meus lábios sedentos na sua boca trémula, o momento em que deposito todo o meu ser naquele corpo também ele trémulo.
Desejava-a hoje como ontem."


Maria Ferreira

Beijo n´oteudoceolhar


5 Comentários:

Blogger lua singular disse...

Oi querida,
Estupendamente sensual.
Obrigada pelo carinho
Beijos
Lua Singular

27 de setembro de 2016 às 00:45  
Blogger Dorli Ramos disse...

Olá querida, obrigada pelo carinho, pensei em você que gosta de piano para escolher a música, eu também, tiro algumas notas nele, mais nada sério.
Beijos
Minicontista2

27 de setembro de 2016 às 01:45  
Blogger © Piedade Araújo Sol disse...

escrito no masculino, mas muito bem conseguido.
gostei muito!
boa semana.
beijinhos
:)

27 de setembro de 2016 às 11:16  
Blogger ✿ chica disse...

Cabeça masculina, cheia se sensualidade e beleza as palavras! bjs, chica

27 de setembro de 2016 às 11:55  
Blogger Serena disse...

Adorei o texto, cheio de sensualidade. Beijinhos Serena

28 de setembro de 2016 às 00:40  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial

} @media handheld { #wrap { width:90%; } #main-top { width:100%; background:#FFF3DB; } #main-bot { width:100%; background:#FFF3DB; } #main-content { width:100%; background:#FFF3DB; } } #inner-wrap { padding:0 50px; } #blog-header { margin-bottom:0px; } #blog-header h1 { margin:0; padding:0 0 6px 0; font-size:225%; font-weight:normal; color:#612E00; } #blog-header h1 a:link { text-decoration:none; } #blog-header h1 a:visited { text-decoration:none; } #blog-header h1 a:hover { border:0; text-decoration:none; } #blog-header p { margin:0; padding:0; font-style:italic; font-size:94%; line-height:1.5em; } div.clearer { clear:left; line-height:0; height:10px; margin-bottom:12px; _margin-top:-4px; /* IE Windows target */ background:url("") no-repeat bottom left; } @media all { #main { width:560px; float:left; padding:8px 0; margin-left:-40px; } #sidebar { width:240px; float:right; padding:8px 0; margin-left:-50px; } @media handheld { #main { width:100%; float:none; } #sidebar { width:100%; float:none; } } #footer { clear:both; background:url("") no-repeat top left; padding-top:10px; _padding-top:6px; /* IE Windows target */ } #footer p { line-height:1.5em; font-family:Verdana, sans-serif; font-size:75%; } /* Typography :: Main entry ----------------------------------------------- */ h2.date-header { font-weight:normal; text-transform:capitalize; text-align:right; letter-spacing:.1em; font-size:90%; margin:0; padding:0; } .post { text-align:center; margin:8px 0 24px 0; line-height:1.5em; } h3.post-title { font-weight:normal; text-align:center; font-size:140%; color:#da70cd; margin:0; padding:0; } .post-body p { text-align:center; margin:0 0 .6em 0; } .post-footer { font-family:Verdana, sans-serif; color:#da70cd; font-size:74%; border-top:0px solid #BFB186; padding-top:6px; } .post ul { margin:0; padding:0; } .post li { line-height:1.5em; list-style:none; background:url("") no-repeat 0px .3em; vertical-align:top; padding: 0 0 .6em 17px; margin:0; } /* Typography :: Sidebar ----------------------------------------------- */ h2.sidebar-title { font-weight:normal; font-size:120%; margin:0; padding:0; color:#da70cd; } h2.sidebar-title img { margin-bottom:-4px; } #sidebar ul { font-family:Verdana, sans-serif; font-size:86%; margin:6px 0 12px 0; padding:0; } #sidebar ul li { list-style: none; padding-bottom:6px; margin:0; } #sidebar p { text-align:center; font-family:Verdana,sans-serif; font-size:86%; margin:0 0 .6em 0; } /* Comments ----------------------------------------------- */ #comments {} #comments h4 { font-weight:normal; font-size:120%; color:#29303B; margin:0; padding:0; } #comments-block { line-height:1.5em; } .comment-poster { background:url("") no-repeat 2px .35em; margin:.5em 0 0; padding:0 0 0 20px; font-weight:bold; } .comment-body { margin:0; padding:0 0 0 20px; } .comment-body p { font-size:100%; margin:0 0 .2em 0; } .comment-timestamp { font-family:Verdana, sans-serif; color:#29303B; font-size:74%; margin:0 0 10px; padding:0 0 .75em 20px; } .comment-timestamp a:link { color:#473624; text-decoration:underline; } .comment-timestamp a:visited { color:#716E6C; text-decoration:underline; } .comment-timestamp a:hover { color:#956839; text-decoration:underline; } .comment-timestamp a:active { color:#956839; text-decoration:none; } .deleted-comment { font-style:italic; color:gray; } .paging-control-container { float: right; margin: 0px 6px 0px 0px; font-size: 80%; } .unneeded-paging-control { visibility: hidden; } /* Profile ----------------------------------------------- */ #profile-container { margin-top:12px; padding-top:12px; height:auto; background:url("") no-repeat top left; } .profile-datablock { margin:0 0 4px 0; } .profile-data { display:inline; margin:0; padding:0 8px 0 0; text-transform:uppercase; letter-spacing:.1em; font-size:90%; color:#211104; } .profile-img {display:inline;} .profile-img img { float:left; margin:0 8px 0 0; border:1px solid #A2907D; padding:2px; } .profile-textblock { font-family:Verdana, sans-serif;font-size:86%;margin:0;padding:0; } .profile-link { margin-top:5px; font-family:Verdana,sans-serif; font-size:86%; } /* Post photos ----------------------------------------------- */ img.post-photo { border:1px solid #A2907D; padding:4px; } /* Feeds ----------------------------------------------- */ #blogfeeds { } #postfeeds { padding:0 0 12px 20px; }

terça-feira, 27 de setembro de 2016

..."Praia"...


(Foto de minha Autoria)


“ Era algo que se podia evitar, mas, por vezes não me é possível.
Praia? Não, não ligo minimamente a praia, mas (e como em tudo na vida há sempre um mas), porque não, acompanha-la, na verdade nem é muito complicado, não é mulher que seja muito difícil de “aturar”, até porque praia é sinónimo de “praia com pouca gente, para estar á vontade ouviste?”.
E eu fazendo ouvidos de mercador lanço apenas um “Ok!”.
Quem me manda a mim, ir nestas coisas?
Um livro, uma cadeira e uma imensidão de água pela frente (bem antes água a uma imensidão de gente).
Algo que também se torna fácil vivendo longe da confusão tem os seus quês e os seus porquês. Nem tudo é mau, e afinal de contas do longe se faz perto.
Eu mantenho-me na minha paz e sossego, companhia de um livro e a companhia de uma mulher…a minha.
Verdade por vezes até podia querer que no meio de tanta coisa a companhia desejada fosse outra…mas (outro mas).
E porque não óculos de sol?
O sol está quente, a água apesar de tudo apetecível, olho para ela e sinto vontade de me refrescar. Penso duas vezes e sou  levado a pensar mais outras duas.
Fico atónico, não sei penso “é do calor só pode”, uma visão que se torna numa visão única e por momentos divago.
Estava, estava simplesmente deslumbrante…atribuo culpas ao calor, e ao ser o primeiro dia de praia com ela.
Deixei-me estar apenas e só a contempla-la. Gestos calmos de quem usufrui do momento da paisagem daquilo que para si é sinónimo de prazer.
Olho-a enfeitiçado pela forma como se move, como se deita ao sol…olho o corpo molhado, como se um sinal de pecado se tratasse…olho-a molhada.  Pequenas gotas deslizam sobre os seus seios.
Corpo dourado, corpo, corpo…palavras de emoções e sensações que emergem agora de meu corpo.
Mas quem me manda a mim ficar como espectador de um espectáculo que á partida não era meu?
Firme volto às palavras do meu livro, deixo rolarem pela mente sem que façam quaisquer sentido.
Sem me dar conta volto a contemplar…gestos de quem passa óleo num corpo que continua a saber-me bem olhar…está dourado, e vem-me à mente o sabor  do sal o cheiro da maresia…suspiro, deixo cair o livro na areia, e levanto-me direitinho ao mar, direitinho á água.
- onde vais?
- já venho….
Vou, vou lavar a alma para ver se tudo aquilo que por lá anda a navegar se vai com a água fria do mar.
Resultado? Fria a água quente a mente e o corpo.
Já diz o ditado “há razões, que a própria razão desconhece…”
É desta.
Sair da água contemplar o “objecto” de desejo e “fazer-me” a terra.
Olho-a novamente já seca.
- Anda!
- O quê?
- Anda, veste-te.
- Estás doido? Ainda não há duas horas que aqui estamos, no foi isto que combinamos.
- Vá anda, e por uma vez que seja faz o que te digo, e não vale a pena fazeres mais perguntas que eu não respondo.
Não vale a pena dizer que não me falou durante o trajecto até casa.
Abro a porta do carro e peço-lhe para sair, reticente acaba por aceder ao meu pedido.
Pé ante pé de forma descompassada, tal e qual uma criança que amuou por não ter aquele brinquedo tão desejado.
Sobe,  atravessa a porta.
Sem tempo para respirar tomo-a nos meus braços rodopiando, pelo hall, pela sala, descompassados como antes a tinha visto a ela, agora éramos os dois.
Que importa no momento qual o compasso?
Já tinha sido mais do que suficiente o compasso de espera, desde que a vi sair de dentro de água, desde que imaginei o sabor de cada gota, do toque naquela pele dourada de um sol que teimava a queimar.
Aposto que não queimava mais do que o desejo que eu sentia.
Acabou-se, o momento era meu, e seria nosso.
De rompante larga-me e com um ar assustado diz.
- O que se passa?
- Tudo e nada.
Respondi tomando-a de novo nos meus braços, sabia sem sombra de dúvida a sal, cheirava à maresia tendo a pele ainda quente, suave como uma qualquer pétala de rosa…suave, suave e minha.
Um momento, apenas um instante para fechar os olhos e saborear o momento.
Olhava-me incrédula, olhava-me em sinal de espera, em sinal de quem aguarda alcançar, algo que não sabe muito bem o quê.
O momento, o momento...aquele em que a deito no chão, aquele em que deposito os meus lábios sedentos na sua boca trémula, o momento em que deposito todo o meu ser naquele corpo também ele trémulo.
Desejava-a hoje como ontem."


Maria Ferreira

Beijo n´oteudoceolhar


5 Comentários:

Blogger lua singular disse...

Oi querida,
Estupendamente sensual.
Obrigada pelo carinho
Beijos
Lua Singular

27 de setembro de 2016 às 00:45  
Blogger Dorli Ramos disse...

Olá querida, obrigada pelo carinho, pensei em você que gosta de piano para escolher a música, eu também, tiro algumas notas nele, mais nada sério.
Beijos
Minicontista2

27 de setembro de 2016 às 01:45  
Blogger © Piedade Araújo Sol disse...

escrito no masculino, mas muito bem conseguido.
gostei muito!
boa semana.
beijinhos
:)

27 de setembro de 2016 às 11:16  
Blogger ✿ chica disse...

Cabeça masculina, cheia se sensualidade e beleza as palavras! bjs, chica

27 de setembro de 2016 às 11:55  
Blogger Serena disse...

Adorei o texto, cheio de sensualidade. Beijinhos Serena

28 de setembro de 2016 às 00:40  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial